Perfil

Minha foto

Historiadora/Professora de História e para sempre estudante. 

Seguidores

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Tiziano Ferro - Imbranato

Esse post me deixou um tanto apaixonada... e apesar do meu gosto musical ser mais eclético, vou me limitar só a mensagem....

Em relação à relação

Disse no post do vídeo de Beirut que iria adotar o tema que o Marcus tinha me falado: sobre a proibição de homossexuais doarem sangue. Mas tive uma discussão bem produtiva essa tarde que me rendeu mais um tema de "achismo pessoal" e mais uma vez permeiando minha eterna dúvida - relacionamentos.

O Início.

Sou grande fã da idéia de Gikovate sobre a nossa necessidade de se unir e quando unido a necessidade de ser solteiro, pelas privações sofridas. No momento de união porém já fica subentendido todos os encargos sociais que a relação a dois acarretam, não significa o enclausuramento de ambos, mas definitivamente, não é possível continuar sobre o jugo dos conceitos de solterisse, bem como, uma vez solteiro, sofre-se as consequências de se sentir sempre só, em sentido mais sentimental que físico, ainda que o solteiro preserve algum tipo de relação instável.

O Meio.

Por experiência própria, observo que a relação ideal deve ter o fator respeito como base, e não se limitar apenas as questões físicas ( ou química), deve haver sinceridade, uma vez que ainda assim cada um deve ter seu espaço privado para conservar seu passado, seus segredos, ou aquilo que não é conveniente ser colocado em questão.
Deve haver alguns acordos justamente pelas vantagens e desvantagens que citei anteriormente. Para prosseguir é necessário muito carinho, paciência, cumplicidade, companheirismo, saber a hora de falar sério e a hora da diversão.

O Fim.
O fim é o que é, o fim! Simples e sucinto, sobretudo se o término veio acompanhado com mágoa, falta de respeito, falta de carinho, falta de cumplicidade e todos os elementos que garantem uma boa relação. Traição (a você mesmo, realmente não acredito que alguém traia outra antes dele mesmo), violência, humilhação, manipulação (considerando esta o mesmo sentido imundo de utilitarismo) são todos elementos que destroem mais que uma relação, mas o sentimento base de qualquer relação.
Quando o fim chega não há volta digna, sobretudo se há mágoa de qualquer uma das partes, o tempo não volta e todos mudam a todo segundo, nem você nem seu(a) ex são os mesmos, se houve incompatibilidade, esta perdura, e segue cada um com seu caminho, ninguém vive de lembranças (excetuando meu caros colegas historiadores - piadinha infame).

O Grande Inimigo
Sempre há um grande inimigo nas relações : o ciúme. Esse maldito verme uma vez nas nossas entranhas se instala entre a garganta e o coração, ataca em conjunto com a imaginação auto-sabotadora de felicidade e causa efeitos como uma sensação de choro e solidão. Particularmente conheço-o muito bem há alguns anos, e tenho lá os meus motivos de não arrumar qualquer desculpa para não justificá-lo, na verdade penso que todos nascemos com esse verme, e não há auto-confiança do mundo que possa garantir que amanhã seu amado(a) não se encantará com outra pessoa que supra necessidades que você não é capaz de suprir.
Esse bicho parece acordar com o erro humano da jogatina de sedução, uma grande maioria dos enamorados utilizam tal como massagem de seu ego, o que é bem perigoso pois os extremos dos sintomas vão do fim de qualquer sentimento ao crime passional. Quanto a ciúme é possível escutar as seguintes frases:

- "Confio no meu taco" - não, você não é um taco e ninguém é bola, somos humanos e devemos ser tratados como tal.

- "Não tenho ciúmes" ou vc é muito jovem, imaturo e sortudo (tudo isso junto), ou vc está mentindo, ou tem outro pretendente/estepe/caso/affair ou é um psicopata.

- "Sei que sou melhor que fulano-de-tal" porra nenhuma, ninguém é melhor que ninguém sobretudo quando a questão é coração, essa frase pode gerar um longo post com teses que mostram que ninguém é melhor ou pior que o outro

- "Ele(a) é meu!""...borboletas sempre voltam e o seu jardim sou eu..." queridinha(o), fofinha(o) não somos objetos, somos indivíviduos e efetuamos escolhas, se ele(a) não te quer ZIVUDÊU, não te quer, sem entrelinha ou mensagens subliminares; e essa música do Victor e Léo, acredite, é muito brega.


SESSÃO AUTO-AJUDA

"O passado existe quando se está infeliz."

"O meu passado é tudo quanto não consegui ser. Nem as sensações de momentos idos me são saudosas: o que se sente exige o momento; passado este, há um virar de página e a história continua, mas não o texto."

"O passado é lição para refletir, não para repetir."

"Viver no passado é uma ocupação tola e solitária;
olhar para trás tensiona os músculos do pescoço,
e faz com que você se encontre com pessoas que não
estão no seu caminho."
( Edna Ferber )

Bola pra frente, galerinha, deixa o que é História para nós historiadores!
Despeço-me
quinta-feira, 15 de julho de 2010

Música (2/2) Wonderlust King - Gogol Bordello

Tanto de Beirut quanto de Gogol peguei as músicas mais famosas, mas vale a pena escutar todas as outras também....




Wonderlust King
Gogol Bordello
Composição: Eugene Hutz

Back in the day, yo as we learned
A man was not considered to be
Considered to be fully grown
Has he not gone beyond the hills
Has he not crossed the seven seas
Yeah, seven seas at least
Now all them jokers kept around
Just like the scarecrows in hometown
Yeah, scarecrows in hometown
From screen to screen they're travelling
But I'm a wonderlust king
I stay on the run
Let me out
Let me be gone
In the world beat-up road sign
I saw new history of time
New history of -
Through Siberian woods
Breaking up their neck
Yeah, breaking up their neck
Chinese moving in, building discoteques
Yeah, building discoteques
Tran-Siberian sex toys and whatnot
Yeah, why not?
Well, at least it's something different
From what they got in every other airport
Je ne Jevrei, no koje-chto pohozhe
Sovrat ne dast ni Yura ni Seryozha!
Simply because I'm not a total gadjo
Da ja shut, ja cirkach, nu tak chto-zhe?
I travelled the world looking for understanding
Of the times that we live in
Hunting and gathering firsthand information
Challenging definitions of sin
I travelled the world looking for lovers
Of the ultimate beauty
But never settling in...
I am a wonderlust king
I stay on the run
Let me out
Let me gone
In the world's beat-up road sign
I saw new history of time
New history of-
And presidents
And billionaires
And generals
They'll never know
They'll never know
What I have owned
What I have owned...
I am a wonderlust king.

Música (1/2) - Elephant Gun - Beirut

O Marcus me propôs um tema interessante para trabalhar aqui no blog, mas preciso de mais tempo de reflexão, pra não sair escrevendo qualquer abobrinha. Até lá vou postar duas músicas de ritmos alternativos, lá vai a primeira. Abçs





Elephant Gun - Beirut
Composição: Ryan Condon; Zach Condon

If I was young, I'd flee this town
I'd bury my dreams underground
As did I, we drink to die, we drink tonight
Far from home, elephant gun
Let's take them down one by one
We'll lay it down, it's not been found, it's not around
Let the seasons begin - it rolls right on
Let the seasons begin - take the big king down
Let the seasons begin - it rolls right on
Let the seasons begin - take the big king down
And it rips through the silence of our camp at night
And it rips through the night
And it rips through the silence of our camp at night
And it rips through the silence, all that is left is all
That I hide



quarta-feira, 7 de julho de 2010

Mágico, O Teatro



De Ontem em Diante...

...serei o que sou no instante agora
Onde ontem, hoje e amanhã são a mesma coisa
Sem a idéia ilusória de que o dia, a noite e a madrugada
são coisas distintas
Separadas pelo canto de um galo velho
Eu apóstolo contigo que não sabes do evangelho
Do versículo e da profecia
Quem surgiu primeiro? o antes, o outrora, a noite ou o dia?
Minha vida inteira é meu dia inteiro
Meus dilúvios imaginários ainda faço no chuveiro!
Minha mochila de lanches?
É minha marmita requentada em banho maria!
Minha mamadeira de leite em pó
É cerveja gelada na padaria
Meu banho no tanque?
É lavar carro com mangueira
E se antes um pedaço de maçã
Hoje quero a fruta inteira
E da fruta tiro a polpa... da puta tiro a roupa
Da luta não me retiro
Me atiro do alto e que me atirem no peito
Da luta não me retiro...
Todo dia de manhã é nostalgia das besteiras que fizemos ontem

(De Ontem em Diante - O Teatro Mágico)






domingo, 4 de julho de 2010

O Pulso - Titãs

Postagem para atualização – Pensando…

   

300_vitruvian_man

    Mais uma postagem para me lembrar, e lembrar ocasionalmente à leitores que passam por aqui, que este blog ainda existe. As desculpas cabíveis ao abondono, no entanto, não se limitam mais uma vez ao tédio ou simplesmente preguiça, ou ainda à falta de internet, já que tenho alguma disponível gentilmente cedida. Na verdade, é melhor não arranjar qualquer desculpa, basta propor algum tema…

   Vou me voltar para essa problemática de querer obter posse do conhecimento, como já não é segredo, sou pessoalmente, profissionalmente e outros “entes” desejosa de obter todo conhecimento seja qual for e seja de onde partir, mas a curiosidade e a busca que te levam a tal podem ser extremamente danosos visto que nem sempre se está preparado para observar e admitir a “verdade” ( e esta sempre relativa)

    Já se dizia “a ignorância é uma benção” e de fato, ela não te desespera, não te angustia e não obriga vc a desconstruir e reconstruir sua realidade e identidade todos os dias. Diz-se também “pensar dói” e mais que isso pensar mata… mata todos seus conceitos e refaz seus preconceitos, pensar incomoda, mas porque se tão negativo se faz necessário?

    Não pensar faz de um indivíduo um ser passivo durante a vida, um espectador e não ator da sua história, são indivíduos assim que esperam que o destino sempre nas mãos de um bom deus ( minúsculo pois não se refere apenas à entidade cristã) se encarregue de seu início, meio e fim. Agora colocando uma posição bem pessoal, se existe um Deus quero que ele se orgulhe vendo que agi, fiz e aconteci com o presente de vida que ele me deu.

    Voltando… pensar te obriga a tomar as rédeas de sua vida e agir, porque não agir incomoda o ser pensante, que vê soluções e novas construções em diversos caminhos e escolhas. A tendência da atualidade é justamente ser passivo, colocar sua vida na mão das mais diversas instituições que não se limitam só à religião, ms também às bolsas-esmolas  e toda essa babaquice assistencialista…

     Agora…se continua confortável em sua caverna e este post em nada te incomodou , permaneça aí mesmo, sem pensar… caso contrário, o debate está aberto, seu comentário é bem vindo.

 

Despeço-me

PS.: O Homem Vitruviano de Da Vinci me remete à idéia de “mente controla corpo”, alguma ligação? Talvez sim, talvez não.