Perfil

Minha foto

Historiadora/Professora de História e para sempre estudante. 

Seguidores

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010
Recebi por e-mail de uma amiga:

Por Arnaldo Jabor - Relacionamentos


Sempre acho que namoro, casamento, romance, tem começo, meio e fim. Como
tudo na vida. Detesto quando escuto aquela conversa:'- Ah, terminei o
namoro...
- Nossa, estavam juntos há tanto tempo...
- Cinco anos.... que pena... acabou...
- é.. não deu certo...'Claro que deu! Deu certo durante cinco anos, só que
acabou. E o bom da vida, é que você pôde ter vários amores.
Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se
somam. Às vezes você não consegue nem dar cem por cento de você para você
mesmo, como cobrar cem por cento do outro?E não temos essa coisa completa.
Às vezes ela é fiel, mas é devagar na cama.
Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel.
Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador.
Às vezes ela é muito bonita, mas não é sensível.
Tudo junto, não vamos encontrar.
Perceba qual o aspecto mais importante para você e invista nele.Pele é um
bicho traiçoeiro. Quando você tem pele com alguém, pode ser o papai com
mamãe mais básico que é uma delícia.
E às vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona..
Acho que o beijo é importante... e se o beijo bate... se joga... se não
bate... mais um Martini, por favor... e vá dar uma volta.Se ele ou ela não
te quer mais, não force a barra. O outro tem o direito de não te querer.
Não brigue, não ligue, não dê pití. Se a pessoa tá com dúvidas, problema
dela, cabe a você esperar... ou não. Existe gente que precisa da ausência
para querer a presença.
O ser humano não é absoluto.
Ele titubeia, tem dúvidas e medos, mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela
volta. Nada de drama. Que graça tem alguém do seu lado sob pressão?O legal é
alguém que está com você, só por você. E vice-versa. Não fique com alguém
por pena. Ou por medo da solidão. Nascemos sós. Morremos sós. Nosso
pensamento é nosso, não é compartilhado. E quando você acorda, a primeira
impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento.Tem gente que pula de um
romance para o outro. Que medo é este de se ver só, na sua própria
companhia? Gostar dói. Muitas vezes você vai sentir raiva, ciúmes, ódio,
frustração... Faz parte. Você convive com outro ser, um outro mundo, um
outro universo.
E nem sempre as coisas são como você gostaria que fosse... A pior coisa é
gente que tem medo de se envolver.
Se alguém vier com este papo, corra afinal você não é terapeuta. Se não quer
se envolver, namore uma planta. É mais previsível. Na vida e no amor, não
temos garantias. Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar. Nem
todo beijo é para romancear. E nem todo sexo bom é para descartar... ou se
apaixonar... ou se culpar...
Enfim...quem disse que ser adulto é fácil ???

Como estou sem net e consequentemente sem qualquer inspiração, devo ficar off por mais alguns dias/meses/anos/séculos, qualquer comentário, dúvida ou sugestão remeta a : historia.ma@gmail.com . Grata

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Estranheza

Primeiro, devo comentar sobre um trecho do meu blog com o qual eu e o Brentano conversamos ontem. O que eu coloco sobre ajuda o Haiti sem dó mas com coração se refere à ajuda permanente, não só ao Haiti quanto a qualquer outro país ou pessoa em dificuldade. Quando se findar poucos meses logo o país será esquecido novamente, e apesar de agora precisarem de comida e roupa, hora ou outra, necessitarão de uma verdadeira infraestrutura, mas ao agir com dó não refletimos, é um sentimento imediato e extremamente depreciativo. O correto na minha colocação seria dizer agir com razão, mas por medo de isso parecer muito 'frio e calculista' substituí por coração ( que devo concordar que se trata de uma colocação errônea).

Terminado as ratificações, devo registrar aqui mais uma preocupação, de cunho pessoal e mais uma vez relacionado à identidade. Começo a me preocupar seriamente com a montagem da minha personalidade sob a visão do "outro", enquanto que alguns tentam determinar meu modo de pensar e agir, o que vem corriqueiramente acompanhado com uma certa fobia aos meus atos, outros fazem de tudo para dar um crtl+c crtl+v acreditando que a minha vida é agradável, devido a minha performance aceitável.

O fato é que em primeiro, mudo sim pelas pessoas não me importo de admitir isso de forma alguma, pior seria viver com a Síndrome de Gabriela-Cravo-E-Canela achando que nada jamais me afetaria. Mas não espere que eu mude minha essência, essa sim é o que me faz m.a.s.s. ser m.a.s.s. e a defendo com unhas e dentes. A maioria das pessoas não conhecem essa parte de mim, bem como não conheço quase ninguém dessa maneira, e os copiadores acabam se enganando e forjando um quimera. Não sou otimista, feliz e 'bobalegre' o tempo todo, não faço tudo o que eu amo, nem consigo tudo o que quero então não coloque na sua mente doentia um fantasia mal-feita minha ou de qualquer outra pessoa, construa suas próprias máscaras, medos e desejos e pare de tentar ler o que eu penso e me interpretar, preocupe-se com a sua postura.
Ficou bem óbvio nesse parágrafo, caros leitores, que esta mensagem se destina a algum indivíduo-imitador, caso encontre uma m.a.s.s. exija a identidade. Peço desculpas àqueles que nada têm a ver com isso e espero que aqueles que também se inspiram demasiadamente , endeusando qualquer outro indivíduo, tomem isso por reflexão.
No mais, me despeço.
quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Esclarecimento

Certo dessa vez não há uma desculpa tão cabível para a demora de escrever algo aqui, que tal uma desculpa que serve para os posts posteriores e já atrasados adiantadamente?! FALTA DE INSPIRAÇÃO , sobretudo considerando que diversos fatores pessoais e acadêmicos influenciam no meu processo de emburrecimento ou... ou o contrário disso ( que não significa a genialidade).
Desde o ano passado há uma pergunta que me tirou o sono por algumas vezes. Um colega, amigo e jovem que respeito e admiro, sobretudo, por sua inteligência além-academia, me perguntou "Senhorita M.A.S.S
Na sua opinião o que é esclarecimento?"
Aquela pergunta na minha página de recados me deixou um tanto confusa, primeiro porque o texto sobre esclarecimento do Kant já tinha sido trabalhado na aula de Filosofia, mas eu não conseguia me explicar naquilo e vi que me faltava mais que o conceito de esclarecimento... me faltava o próprio esclarecimento.

Segundo Kant o esclarecimento "é a saída do homem da sua incapacidade de fazer o uso de seu entendimento sem a direção de outro indivíduo", o que ele chama de menoridade, e ainda " não é a falta de entendimento, mas a falta de coragem de servir-se de si mesmo" que se dá por preguiça ou covardia.
O fato é que vivemos nessa Era Pseudo-intelectual em que não somos mais que escravos e copiadores de idéias. Na própria academia não existe o incentivo à produção de conhecimento, mas apenas se concentra na reflexão de outros pensadores e repreendem aqueles que surgem com novos conceitos.
Seguimos assim nessa passividade, acreditando ser tudo um sistema comum, estes em grande parte se concentram apenas na obtenção de um título e um papel digitado que certifica que sua contribuição para a sociedade é digna de uma alta compensação financeira, ou ainda, fazem desses títulos os massageadores de seu ego e adubos de sua arrogância. Analisando agora um grupo além de faculdade e universidade, aquela que chamamos de massa torna o diagnóstico ainda mais massacrante, ainda que haja um falso conceito de liberdade de pensamento, essa "massa" têm preguiça de pensar, se acomodam em frente seus objetos amados de alienação, e fazem disso seu lazer, passatempo, seu modo de esvaziar a cabeça que já está vazia.
Citei, então, a falsa liberdade, porque não há de fato uma liberdade, mesmo que essa frase faça mais sentido em tempos de ditadura o conceito continua atual, não há uma verdadeira liberdade, vivemos em uma ditadura disfarçada em que assuntos de importância são facilmente relevados por notícias catastróficas. Certo, certo... vamos mandar ajuda ao Haiti, mas vamos também assumir aqui a responsabilidade que existe com nosso povo, agir com menos dó e com mais coração.
O texto de Kant faz um questionamento sobre as leis que são capazes de ferir a liberdade, em contramão acredito que algumas colaboram, mas não pretendo aprofundar tanto nesse fato. Pelo contrário chega aqui a minha auto-análise e confesso que antes de escrever esse parágrafo acreditei ser totalmente sem esclarecimento, fazendo apenas uma síntese do texto, mas discordo diversas vezes de Kant, principalmente quando ele afirma que "vivemos em uma época de esclarecimento". Acredito que esclarecimento maior tivemos na Idade Média em que pensadores, mesmo privados de sua liberdade, organizaram conceitos consideráveis, ou na Ditadura Militar em que vários deram suas vidas pelo o que acreditavam, e nós aqui embasbacados sem agir. Talvez devessemos ser privados da liberdade para buscá-la e assim não aceitar que nos "mimem" intectualmente.


(PS.: Não sei se quer a que ponto chega meu esclarecimento, mas se o fato de ter consciência disso me ajuda, talvez lhe ajude tb)

Abçs