Perfil

Minha foto

Historiadora/Professora de História e para sempre estudante. 

Seguidores

domingo, 24 de maio de 2009

Reativar! Return To Innocence - Enigma

Após um longo tempo sem postar, não pretendo colocar as longas filosofias de papo-de-MSN, mas passei por uma situação que me fez questionar isso dos "opostos": preto x branco, homem x mulher, sentimento x razão... e imaginei ao invés de um "x" entre esses fatos não poderia haver um "+"? Simples, o que eu quero dizer é, porque eles simplesmente não se complementam? Qual será o tamanho desse nosso querer adotar dualidade como referência na vida ?
É exaustivo fazer essas escolhas...


quarta-feira, 6 de maio de 2009

Mitologia Grega - Moiras


Vou deixar aqui o texto da Wikipédia sobre as Moiras, que representam a visão de Vida, Morte e Destino na Antiga Grécia. A baixo vou indicar também um outro link para quem se interessar saber mais sobre a relação desse mito e do cotidiano. Em breve coloco aqui as informações sobre a Feira de Cultura e Cidadania na qual apresentaremos mais sobre Mitologia Grega ( que vai bem além dos Cavaleiros do Zodíaco...). Abçs

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Moiras

Na mitologia grega, as moiras (em grego antigo Μοῖραι) eram as três irmãs que determinavam o destino, tanto dos Deuses, quanto dos seres humanos, eram três mulheres lúgubres, responsáveis por fabricar, tecer e cortar aquilo que seria o fio da vida de todos os indivíduos. Durante o trabalho, as moiras fazem uso da Roda da Fortuna, que é o tear utilizado para se tecer os fios, as voltas da roda posicionam o fio do indivíduo em sua parte mais privilegiada (o topo) ou em sua parte menos desejável (o fundo), explicando-se assim os períodos de boa ou má sorte de todos. Conta-se que o deus Ares foi o único ser capaz de submeter as moiras à vontade dele; fora esta exceção, elas jamais foram manipuladas, e nada se pode fazer para detê-las, ou ganhar-lhes o favor (até porque as Moiras entendem que o trabalho delas está mesmo acima delas próprias).

As três deusas decidiam o destino individual dos antigos gregos, e criaram Têmis, Nêmesis e as Erínias. Pertenciam à primeira geração divina (os deuses primordiais), e assim como Nix, eram domadoras de deusas e homens.

As moiras eram filhas de Nix. Moira, no singular, era inicialmente o destino. Na Ilíada, representava uma lei que pairava sobre deuses e homens, pois nem Zeus estava autorizado a transgredi-la sem interferir na harmonia cósmica. Na Odisséia aparecem as fiandeiras.

O mito grego predominou entre os romanos a tal ponto que os nomes das divindades caíram em desuso. Entre eles eram conhecidas por Parcas chamadas Nona, Décima e Morta, que tinham respectivamente as funções de presidir a gestação e o nascimento, o crescimento e desenvolvimento, e o final da vida; a morte; notar entretanto, que essa regência era apenas sobre os humanos.

Os poetas da antiguidade descreviam as moiras como donzelas de aspecto sinistro, de grandes dentes e longas unhas. Nas artes plásticas, ao contrário, aparecem representadas como lindas donzelas. As Moiras eram:

  • Cloto (Κλωθώ; klothó) em grego significa "fiar", segurava o fuso e tecia o fio da vida. Junto de Ilítia, Ártemis e Hécata, Cloto atuava como deusa dos nascimentos e partos.
  • Láquesis (Λάχεσις; láchesis) grego significa "sortear" puxava e enrolava o fio tecido, Láquesis atuava junto com Tyche, Pluto, Moros e outros, sorteando o quinhão de atribuições que se ganhava em vida.
  • Átropos (Ἄτροπος; átropos) em grego significa "afastar", ela cortava o fio da vida, Átropos juntamente a Tânatos, Queres e Moros, determinava o fim da vida.

Confira mais em: http://www.constelar.com.br/constelar/90_dezembro05/moira1.php

sábado, 2 de maio de 2009

Mais Deus e Menos Religião

Ouvi que em um culto transmitido pela TV, o pastor disse em poucas palavras que o danado do fiel tem a mania de endeusar os pregadores e quando esses erram ( e erram, pois são humanos) parte daqueles fiéis ( mais ao pregador e à igreja como organização) fazem questão de "jogar na cara" de outros seguidores ou da organização congregacional o erro do dito cujo alegando ele não ser digno de pregar sobre santidade.
Isso acontece com Católicos, Evangélicos, Budistas.. e toda e qualquer religião ou seita baseada em um hierarquia. Essa decepção afasta diversas pessoas , mas o fato que primeiro de tudo deve-se entender que seja quem for que conduz sua religião, é um ser falho e bem humano a ponto de cometer diversos pecados.
O pior erro que uma pessoa pode cometer é acusar de profano aqueles que não pertencem à sua religião. Poxa, me mostra na Bíblia ou em qualquer outro qualquer outro Indício Sagrado que vai falar que Deus (Alá, Força Maior, ou seja lá qual nome quiserem dar) que Ele possui uma religião. RELIGIÃO É INVENÇÃO DE SERES HUMANOS e só servem para separar, segregar, diferenciar uns de outros.
O que torna um fanático insuportável é justamente achar que ele é quem tem a razão e que o restante vai pro inferno. Sabe de uma novidade? Ações garantem muito mais a felicidade que sentar no banco de um instituição religiosa e achar que sai de lá só se for para o céu. E se não houver um céu? Ou nem mesmo um inferno? E se existirem, quem é você para dizer quem vai pra um ou outro? A pessoas tinham que se preocupar em serem felizes , não aquela pseudofelicidade momentânea, mas fazer bem aos outros e a si mesmo, ver alguém bem é tão gratificante, não?!
É legal ir à uma Igreja? É , é sim, isso segue a mesma lógica de ir à uma escola aprender, adquirir conhecimento, mas isso se torna danoso quando você começa a agir de acordo com o que os outros vão pensar de vc, e aí o indivíduo acaba servindo aos homens e não à um Deus. Sejamos ponderados coleguinhas: Mais Deus e Menos Religião